15 anos de pesquisa constante de excelência no Serviço

Exija garantias de um Laboratório certificado. Ligue-nos:
21 330 38 54

Máxima qualidade garantida em todos os nossos serviços:
Certificação ISSO 9001:2008

90% dos nossos clientes declaram estar
muito satisfeitos com o serviço

Por que a Recovery Labs?

Ligue-nos e comece a recuperar
os dados: 21 330 38 54

Ligue-nos, vamos aconselhá-lo pessoalmente e
orientá-lo no processo de recuperação de seus dados.

SEM COMPROMISSO

Seus dados com segurança

Ligue-nos para começar a recuperação dos seus dados:
21 330 38 54

Confidencialidade contratualmente garantida.

Controle de acesso e permissões de usuário para as funções.

Vídeo-vigilância e segurança 24/7 em todas as áreas.

Especial Altas Temperaturas. Ondas de calor e consumo eléctrico excessivo.

1. Introdução

Nos meses de verão, durante junho, julho e agosto acontecem aumentos de temperatura e ondas de calor que, por diferentes razoes, podem provocar que o nosso disco rígido deixe de trabalhar correctamente e não podamos aceder aos dados que contem.

Esta avaria, que comummente denominamos “descompensação térmica” aumenta consideravelmente durante os meses de verão. Segundo os dados da Recovery Labs, durante 2006, 21,98% dos discos rígidos que entraram no laboratório, sofriam uma avaria de descompensação térmica, dos quais quase 70% entraram durante os meses estivais de verão.

Muitos dos sintomas indicam que um disco rígido não esta a funcionar correctamente por causas derivadas da temperatura. Portanto, identificar o problema na hora e tentar evitá-lo pode poupar um grande problema, como a perda de dados importantes para nós ou a nossa organização.

2. O que é a descompensação térmica?

Os sintomas que indicam que o disco não funciona bem por causas derivadas da temperatura são múltiplos.

O primeiro a ter em conta é que um disco rígido é um dispositivo de precisão e para o seu bom funcionamento uma multitude de peças mecânicas devem funcionar correctamente e coordinadas umas com as outras. Uma desviaçao mecânica em qualquer delas pode causar que não seja possível ler uma informação previamente armazenada no disco.

Qualquer peça mecánica está desenhada para um optimo funcionamento num intervalo específico de temperatura. Fazer funcionar o equipamento a uma temperatura superior para a qual foi desenhada causará  esgotamento e desgaste, pelo que pode reduzir a sua vida útil. Dito stress será maior quando a temperatura de funcionamento varie bruscamente num corto espaço de tempo.

Vejamos o seguinte exemplo:

No verão é muito normal que durante o dia de trabalho o ar condicionado mantenha os escritórios a uma temperatura ambiente de, por exemplo, 21 graus. Quando finalizar o dia normalmente desconecta-se o ar condicionado exceto os computadores. Isto é cada vez mais habitual sobretudo em ambientes domésticos e em poucos minutos poderemos passar a uma temperatura ambiente de 40 graus, repetindo o ciclo dia após dia.

Explicação do problema: vamos tentar explicar de uma forma simples a causa pela qual não é possível ler dados de um dispositivo com esta avaria. Para isso vamos ver um exemplo mais ilustrativo: os discos de vinil dos antigos gira-discos.

Imagine por um momento que pomos um disco de vinil para ouvir uma determinada música. Situa o disco no prato, começa a girar e coloca a agulha leitora na pista correspondente à canção que quer ouvir. No momento no qual a agulha toca o disco começa a tocar a música. Ora, o que aconteceria se o disco tivesse estado exposto ao sol e ficasse dobrado? Possivelmente o sulco da faixa já não formaria uma espiral perfeita e teria deformações, pudendo fazer que a agulha salte a faixas adjacentes sem conseguir ouvir a música desejada correctamente. O mesmo ocorreria se a peça que se desequilibrasse fosse a agulha.

Há muitos sintomas que indicam que o disco não está a funcionar bem por causas derivadas da temperatura.

O primeiro que há que ter em conta é que um disco rígido é um dispositivo de precisão e que para o correcto funcionamento, muitas peças mecânicas devem funcionar correctamente e coordenadas umas com as outras. Um desvio mecânico em qualquer delas pode tornar ilegível uma informação previamente armazenada no disco.

Qualquer peça mecânica está desenhada para um ótimo funcionamento num intervalo específico de temperatura. Portanto, fazer funcionar o dispositivo a uma temperatura superior para a qual foi desenhada causará stress e desgaste, pelo que pode reduzir a sua vida útil. Dito stress será maior quando a temperatura de funcionamento varie bruscamente num curto espaço de tempo.

Disco Rígido. Recuperação de Dados

Uma deformação ou desajuste em qualquer das peças internas de um disco provoca que a cabeça leitora não se posicione correctamente sobre o sector que foi previamente escrito, impedindo o acesso aos dados.

3. É possível recuperar a informação de um dispositivo com descompensação térmica?

É possível recuperar a informação. Para identificar correctamente a origem do problema é necessário realizar a abertura da tampa do disco. Para realizar esta abertura é preciso fazê-lo nas condições adequadas de limpeza de ambiente no interior de uma sala limpa. Há que ter em conta que a cabeça de leitura/escritura não toca o disco quando está a girar a grande velocidade; pelo contrário, frota sobre uma camada de ar extremamente fina (10 milionésimas de polegada).

A continuação devemos ir modificando as condições de torção e temperatura para as quais se consegue o alinhamento justo entre a cabeça leitora e os dados armazenados. Pode dar-se o caso que haja que ir modificando esses parâmetros em função da zona do disco sobre a que se estiver a trabalhar. Isto faz que esta operação não seja rápida e simples em alguns casos mais complexos.

4. Mais problemas de perdas de dados causados pelas altas temperaturas

Como já vimos, as altas temperaturas são um dos grandes inimigos dos discos rígidos e não só pela descompensação térmica, já que as altas temperaturas são a causa indireta de outro tipo de avarias produzidas nos equipamentos informáticos. Quando aparecem ondas de calor, geralmente aparece por sua vez um incremento espetacular no uso da electricidade. Esta demanda pontual de electricidade deve-se ao uso de aparatos de ar condicionado. Mais calor, mais potencia requerida pelo uso deste tipo de aparatos. Já explicamos a problemática das mudanças de temperatura num determinado ambiente. No entanto, agora há algo diferente e é que a tremenda demanda de electricidade solicitada, em algumas ocasiões, pode chegar a causar incidências no fornecimento eléctrico que chega à nossa tomada de rede eléctrica. Podem ser apagões eléctricos, subidas, descidas ou bicos na tensão fornecida. Quando surgem estas situações, os nossos aparatos eléctricos encontram-se perante o risco de sofrer avarias nos circuitos electrónicos que tragicamente acabam num mau funcionamento ou uma paragem súbita. Isto faz que o aparato deixe de funcionar.

5. Conselhos

Para nos protegermos frente às altas temperaturas há que conseguir que o ar cumulado no interior da caixa do nosso computador seja evacuado correctamente e substituído por ar de uma temperatura menos. Os computadores de marcas conhecidas costumam estar bem preparados para que este fluxo de ar se realize adequadamente. No caso de não ser assim, podemos recomendar.

  • Forçar o fluxo de ar pelo interior da caixa, colocando uma ventoinha no frontal que introduza ar e outro na parte traseira que retire o ar do interior.
  • Situar a caixa do computador na zona do quarto onde houver uma temperatura estável.
  • Potenciar a circulação de ar sem colocar nunca a caixa num armário fechado e sem provocar que o ar que entra na caixa seja o mesmo que está a sair do interior.
  • Não pôr nunca o computador ao sol.
  • Na hora de  pôr os discos no interior da caixa tentar não os colocar em locais contíguos sem deixar espaço entre eles, já que não permite circular bem o ar e provoca que o calor que um deles desprende afecte o outro.

Para nos proteger perante as incidências eléctricas podemos tomar as seguintes medidas:

  • Colocar dispositivos protectores contra tensões na tomada de alimentação  dos nossos equipamentos.
  • A melhor medida seria dispor de um Sistema de alimentação Interrompida (UPS) que permitirá, além de limitar a tensão, dispor de uns minutos para desconectar o equipamento adequadamente no caso de se produzir um apagão de longa duração no nosso prédio.
  • No caso de não usar o dispositivo por muito tempo ou quando se prever tormentas eléctricas, desligar o cabo de alimentação da tomada de rede, já que não é suficiente com desligar o equipamento.

Sobretudo, há que ter em conta que:

“Uma perda de dados não se produz quando um dispositivo se estraga ou deixa de funcionar adequadamente, mas sim quando se estraga e não dispomos de uma cópia de segurança dos dados que contem”

Fonte: Recovery Labs